top of page

Conselho das Comunidades quer mais portugueses recenseados para poderem votar


Foto: divulgação

O Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) está preocupado com a quantidade de residentes no estrangeiro não recenseados e que, por isso, não participam na escolha da nova composição deste órgão, nem nas próximas eleições legislativas, disse hoje o vice-presidente.


Amadeu Batel, vice-presidente do Conselho Permanente (CP) do CCP, que está reunido em Lisboa desde quarta-feira e termina hoje este encontro, o último com a atual composição do Conselho, disse à Lusa que é preciso encontrar uma forma para que estes cidadãos portugueses estejam recenseados e possam participar nestes atos eleitorais.


Sobre as causas desta falta de recenseamento, Batel disse que são várias e que o importante é chegar a estes portugueses e lusodescendentes e voltar a colocá-los no sistema eleitoral.


Há 50 anos na Suécia e há décadas a "defender o interesse das minorias" e a lutar "por uma sociedade multiétnica, multicultural e multilíngue, onde todos possam participar", Amadeu Batel deixa as suas funções no CCP, cujos conselheiros serão eleitos no próximo dia 26.


Nesta deslocação a Portugal, encontrou um primeiro-ministro demissionário e a decisão do Presidente da República dissolver o parlamento.


"A situação em Portugal tem impacto nas comunidades portuguesas", disse, a começar pela questão da participação eleitoral que este Conselho acredita que podia ser maior se a sua proposta de voto eletrónico tivesse sido aceite.


Amadeu Batel afirmou que deixa o CCP com "uma base sólida, para o próximo dar continuidade ao trabalho".


Recordou os vários desafios que este órgão consultivo do Governo em matéria de emigração enfrentou, como uma pandemia que fechou o mundo, deixando até hoje mazelas nas estruturas das comunidades.


Com uma nova lei a regular o seu funcionamento, que considera ter ainda "muito para melhorar", espera que os futuros conselheiros se batam pela independência deste órgão que "ainda depende muito do Governo", como a sua auscultação em matéria de comunidades apenas quando o executivo assim o solicite.


Aos 80 anos, Batel -- o homem que soube antes de José Saramago que este ia receber o Prémio Nobel da Literatura -- insiste na necessidade de o CCP ser verdadeiramente independente e que a sua opinião seja um todo, independentemente das cores políticas de cada conselheiro.


O objetivo do CCP deve ser, entre outros, contribuir para "um Portugal mais inclusivo e que inclua também os portugueses residentes no estrangeiro e os lusodescendentes", disse.


Serviço:

Data: 26/11/2023

Horário: das 08 às 17h.


OBS- Veja se você está apto a votar. Confira no link https://www.recenseamento.mai.gov.pt/


Fonte: RTP Portugal

bottom of page