top of page

Senador Laércio Oliveira, destaca o potencial de investimentos em Sergipe


Foto: divulgação

Senador Laércio Oliveira, destaca o potencial de investimentos em Sergipe em evento internacional de petróleo o gás


“Eu quero dizer aos senhores investidores e empresários que o melhor lugar do Brasil para se investir é Sergipe, a estrela do gás do Brasil. É o menor estado brasileiro, mas lá tem à disposição dos senhores 18 milhões de metros cúbicos de gás por dia”, afirmou o senador Laércio Oliveira na abertura da Offshore Conference Technology Brasil (OTC Brasil), na ExpoMag, no Rio de Janeiro, neste terça, 24. Essa é a maior maior conferência de tecnologia offshore do mundo. É a primeira vez que a OTC é realizada fora de Houston, nos Estados Unidos.


O senador estava acompanhado do governador Fábio Mitidieri, do secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (Sedetec), Valmor Barbosa, do secretário-executivo da pasta, Marcelo Menezes.


O senador aproveitou a oportunidade para destacar o potencial de investimentos do Brasil. “Essa semana eu recebi a no meu gabinete, lá no Senado Federal, a visita de uma missão de chineses. Eles foram lá conversar sobre perspectivas de investimento no Brasil. Eles queriam ouvir a minha opinião, a opinião do Parlamento sobre investimentos. E o que me chamou muita atenção era a convicção que eles tinham daquilo que eles desejavam fazer aqui no Brasil. Fiquei muito impressionado! Um deles abriu a pasta e puxou um mapa do Brasil, colocou esse mapa em cima da minha mesa. E disse assim: Este lugar aqui é a maior janela de oportunidades do mundo. Aqui é possível fazer investimentos em agronegócio, tecnologia, infraestrutura e energia. Mas eles me falaram isso com tanta convicção que eu refleti um pouco e entendi que valeu a pena todo o esforço que temos feito no Congresso Nacional para tornar o Brasil atrativo em termos de investimento”, afirmou o senador.


O governador destacou que mais uma vez, o potencial energético e econômico de Sergipe está sendo apresentado. “Possuímos 20% de toda reserva de gás natural do Brasil, um número maior que a produção da Bolívia. Pedimos à Petrobras que tire do papel os investimentos em águas profundas. Nosso objetivo é construir um estado melhor por meio da energia”, discursou, destacando a importância da presença de Sergipe em eventos desse porte.


Entre os temas debatidos no evento está as novas tecnologias em atividades de perfuração, captura e armazenamento de carbono, projetos no segmento de eólicas offshore, descomissionamento, soluções subsea e eletrificação, oportunidades para operadores independentes e os desafios da transição energética. No evento também estão sendo discutidos os principais compromissos da sociedade global de promover uma transição energética justa e viável e a incorporação de discussões sobre tecnologias e inovações necessárias para criar um futuro mais limpo e sustentável.


Empresas indianas


A comitiva de Sergipe participou ainda de reuniões técnicas aos assuntos relevantes para o setor em Sergipe. A primeira reunião foi com as empresas indianas IBV Brasil e ONGC, parceiras da Petrobras no Projeto Sergipe Águas Profundas (SEAP), no estande do Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), na OTC.


O objetivo da reunião foi estabelecer um primeiro contato com as empresas indianas e buscar estreitar relacionamento, com foco na atração de novos investimentos no Estado.


“O volume de gás natural que essas empresas precisarão comercializar é quase o dobro do que a Unigel consome hoje em Sergipe. Diante das dificuldades que terão para essa comercialização, concorrendo com a Petrobras em um momento de maior oferta no mercado doméstico, surge a oportunidade de termos uma oferta de gás natural a preços mais competitivos, o que poderá ajudar na atração de novas indústrias, mediante contratação antecipada do suprimento do gás natural em contratos de longo prazo”, afirmou o secretário Executivo da Sedetec Marcelo Menezes.


“Considerando os expressivos volumes de petróleo a cargo das empresas IBV e ONGC, evidenciam-se oportunidades para o seu processamento e refino em Sergipe. Da mesma forma, os seus elevados volumes de gás terão que ser comercializados diretamente pelas empresas por estruturas próprias ou através de comercializadoras do produto no mercado ou destinados a grandes projetos, como plantas industriais de produção de fertilizantes nitrogenados”, afirmou Marcelo Menezes.


Petrobras


Os gestores também se reuniram com a Petrobras no estande da estatal com presença do Gerente Executivo de Relações Institucionais da Petrobras, João Paulo Madruga; do Gerente Executivo de Gás & Energia, Álvaro Ferreira Tupiassu; da Gerente Executiva de Projeto de Desenvolvimento da Produção; Mariana Cavassin Paes; e do Gerente de Relacionamento com o Poder Público Estadual, Cláudia Padilha de Araújo Gomes.

Na pauta, estará o Sergipe Águas Profundas – Economicidade dos Projetos. Os dois projetos, SEAP I e SEAP II, estão localizados a 100 km da costa, em profundidades que chegam a três mil metros, e apresentam reservas substanciais e um horizonte de produção promissor. Os investimentos destinados a essa nova fronteira abrirão uma série de oportunidades para a indústria, ampliarão a geração de empregos, impostos e tributos na região.

A Petrobras lançou em abril de 2023 a licitação para recebimento das propostas comerciais para construir os dois FPSO’s que irão explorar e produzir em águas profundas da bacia de Sergipe-Alagoas. Inicialmente, a data marcada para os contratantes apresentarem propostas para os dois navios era o dia 30 de outubro, porém a estatal adiou em dois meses e meio esse prazo. O Governo do Estado até o momento não foi informado oficialmente sobre o assunto.

De acordo com a mídia internacional, a licitação foi adiada a pedido das empresas que têm interesse em produzir os navios, pois uma das principais preocupações dos concorrentes está relacionada com o financiamento e os elevados custos associados ao projeto, que tem requisitos mínimos de conteúdo local, entre 30% e 40%, ou seja, parte da fabricação dos navios precisa ser realizada no Brasil.


ANP


Ainda durante a OTC, o governador Fábio Mitidieri se reuniu com diretores e equipe técnica da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), no estande da própria Agência.

Na pauta, assuntos de interesse do estado, como a evolução do projeto SEAP, proposta do Estado para criação da tarifa de transporte de curta distância e a continuidade da campanha exploratória de nove blocos offshore tendo a Exxon Mobil como operadora.


Fonte: Senador Laércio Oliveira

Commentaires


bottom of page