top of page

Turismo deve gerar 85 mil novos empregos temporários



Foto: divulgação

O setor do turismo, um dos setores mais impactados pela crise sanitária de 2020, segue se reerguendo e deverá gerar na alta temporada de 2024 85 mil novos empregos temporários. O segmento de alimentação deve liderar as contratações, com mais de 45 mil postos gerados, seguido pelo de transportes em geral, com aproximadamente 20 mil, e hospedagem, com 9 mil vagas.


O salário médio de admissão deverá ser de R$ 1.930, uma alta real de 1,8% em relação a igual período do ano anterior. As projeções são da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).


Com isso, o mercado verá ainda número de passageiros transportados. No terceiro trimestre de 2023, a quantidade de passageiros em voos nacionais atingiu 24,25 milhões, igual ao volume registrado no mesmo período de 2019. Já para a alta temporada 2023/2024, os gastos turísticos se concentrarão principalmente em bares e restaurantes (R$ 68 bilhões) e transporte rodoviário (R$ 24,34 bilhões).


“O otimismo que os números da pesquisa apresentam indica não apenas uma recuperação econômica do turismo, mas também a confiança renovada dos consumidores, impulsionando o mercado de viagens e contribuindo para a geração de empregos em diversas áreas relacionadas ao setor”, afirma Tadros. Segundo ele, os indicativos positivos para a alta temporada sinalizam a capacidade de inovação e adaptação do setor do turismo, “que está se fortalecendo e se preparando para um período de crescimento consistente”, disse o presidente da CNC, José Roberto Tadros.


Nesse cenário, o turismo deverá faturar até fevereiro de 2024 R$ 155,87 bilhões, valor que representa um aumento real de 5,6%, em relação à temporada passada, e a maior movimentação financeira do setor desde o início do levantamento, em 2012. “Os números refletem o crescimento sólido que o setor vem experimentando.


A expectativa de aumento real demonstra a resiliência do turismo diante dos desafios enfrentados nos últimos anos”, aponta o economista da CNC, responsável pela pesquisa, Fabio Bentes.


Segundo dados do governo federal, em 2023 só os turistas estrangeiros deixaram no país R$ 30,8 bilhões, incremento de 40,3% em relação ao período de janeiro a novembro do ano anterior, de acordo com levantamento do Banco Central. O recorde anterior havia sido registrado em 2011, quando o montante chegou a R$ 2,669 bilhões. Até novembro do ano passado, último dado disponível no Painel de Chegadas da Embratur, mais de 5,2 milhões de visitantes estrangeiros desembarcaram no Brasil. Esse é o melhor resultado nos últimos três anos para o setor.


O mês de novembro registrou a segunda maior chegada de turistas internacionais da história – com 504.395 visitantes – perdendo apenas para o 11º mês de 2015.

Ainda segundo o governo federal, o Turismo vem contribuindo diretamente com o desenvolvimento econômico e social das cidades brasileiras. Para potencializar os atrativos nacionais, o segmento tem recebido investimentos na melhoria da infraestrutura turística apoiando obras que aprimoram o atendimento a visitantes, como urbanização de orlas, pavimentação de vias e construção de centros de convenções. Em 2023, o Ministério do Turismo entregou mais de 500 obras em todo o Brasil, com um investimento federal de R$ 380 milhões.


Outra importante ação implantada pelo MTur no ano passado foi a ampliação e facilitação de acesso a financiamentos com as melhores condições de mercado. Por meio do Fundo Geral de Turismo (Fungetur), foram liberados, no ano passado, cerca de R$ 1,2 bilhão para empreendedores incrementarem seus negócios. Os recursos permitem a realização de obras, aquisição de equipamentos e a obtenção de capital de giro.


Fonte: Jornal O Estado do Ceará em 10.01.2024


bottom of page