top of page

Pará está entre as 10 maiores economias do Brasil e deve manter patamar de crescimento do PIB



Foto: Divulgação

O Estado ocupou a sétima posição no ranking dos maiores ganhos, sendo que os seis primeiros Estados são das regiões Sul e Sudeste


O Estado do Pará foi um dos grandes destaques do Produto Interno Bruto (PIB) de 2021, de acordo com o estudo feito pela Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O Pará está entre as 10 maiores economias do Brasil e deve manter o patamar de crescimento no levantamento completo do ano de 2022.


No ano de 2021, o Pará apresentou um PIB de R$ 262,905 bilhões. O avanço foi de 0,08 ponto percentual na sua participação na economia nacional, alcançando 2,9% - a maior desde a série iniciada em 2002 -, permanecendo em 10° lugar entre as Unidades da Federação, em relação ao ano de 2020. O PIB do Norte foi de R$ 564,064 bilhões, onde o Pará contribuiu com 46,2%, isolado na primeira colocação da região.


“O Estado do Pará alcança a 10ª posição em 2020 e se manteve em 2021 influenciado, principalmente, pelo setor da indústria, que apresentou um maior ganho de participação relativa na composição da economia paraense, passando a contribuir com 46,4%. Esse ganho em valor do setor está relacionado ao aumento de preços dos minérios e também ao bom desempenho da indústria metalúrgica. Outras atividades que tem expandido no Estado são a produção de grãos, o comércio e a geração de energia, contribuindo para que o PIB do Pará se mantenha entre as 10 maiores economias do Brasil”, explicou a coordenadora de Estatística Econômica e Contas Regionais da Fapespa, Glaucia Moreira, responsável por liderar o estudo do PIB no Pará e os seus municípios.


O avanço da participação do Pará de 0,08 ponto percentual na economia nacional foi bastante significativa. O Estado ocupou a sétima posição no ranking dos maiores ganhos, sendo que os seis primeiros estados são das regiões Sul e Sudeste do país, sendo a indústria novamente o destaque para impulsionar a economia paraense.


“O ganho de participação do Pará tem como principal influência o aumento do valor adicionado da indústria, pois entre os setores econômicos do Estado esse é o que tem apresentado os maiores ganhos de participação na economia nacional no decorrer da série histórica (2002-2021), passando de 1,8% da indústria nacional em 2002 para 5,6% em 2021”, analisa Glaucia Moreira.


Diante dos números positivos que foram apresentados em 2021, o Estado do Pará deve manter a tendência de crescimento em função da conjuntura do ano passado, onde a expansão da produção paraense já foi observada na maioria das atividades econômicas, influenciada, também, pela elevação da taxa de juros e da cotação do dólar, assim como o aumento da inflação (5,76%).


“Entre os setores econômicos, o de serviços deve apresentar o melhor desempenho em volume de produção (6,5%), de acordo com a pesquisa de serviços (PMS-IBGE), com destaque para a atividade de comércio (4,0%); seguido do setor agropecuário, que apresentou aumento nos seguintes produtos: mandioca (2,5%), milho (10,5%), soja (15,3%) e laranja (13,5%), em 2022, conforme dados da pesquisa agrícola (PAM-IBGE)”, completou a coordenadora da Fapespa.


Municípios – O crescimento do Pará também foi evidenciado entre os seus municípios, com 134 dos 144 deles registrando elevação nominal do PIB, abrangendo mais de 90% do Estado, em todas as 12 Regiões de Integração. Parauapebas foi o que apresentou o maior PIB entre as cidades paraenses, com R$ 49,7 bilhões, apresentando um ganho de participação de 1,3 ponto percentual em relação a 2020, chegando a 18,9%. Em seguida, vieram Canaã dos Carajás (R$ 34,9 bilhões); Belém (R$ 33,4 bilhões); Marabá (R$ 13,5 bilhões); Barcarena (R$ 9,2 bilhões); Ananindeua (R$ 8,9 bilhões) e; Santarém (R$ 6,3 bilhões). Juntos, esses municípios representaram 59,5% do PIB do Estado e 34,5% da população.


Fonte: Agência Pará em 05.01.2024



bottom of page